Vale a pena se hospedar em um resort all-inclusive?

Por Autor convidado,

O que é all-inclusive? Quais são as vantagens deste sistema em resorts? O que esperar de uma hospedagem deste tipo no Brasil?

Para responder todas estas perguntas, a revista do trivago convidou o jornalista e economista Anchieta Dantas Jr., autor do blog Andarilho e viajante experiente. Com um currículo de 40 países visitados e aventuras em todo o tipo de hospedagem, pouco ele não sabe!


Anchieta Dantas Jr O AndarilhoAnchieta Dantas Jr. sempre quis viajar, mas o preço o fazia mudar de ideia. Isso até o 2006, quando saiu do Brasil pela primeira vez, a trabalho. A partir daí não deixou mais de pôr o pé na estrada e já percorreu sozinho mais de 100 cidades pelo mundo. Ele registra tudo isso no blog Andarilho.


Certamente, você já se imaginou em um lugar paradisíaco, ao lado de uma piscina fenomenal, pertinho do mar, rodeado de coqueiros e com o que há do bom e do melhor a seu dispor, não é?

Mas o que parece um sonho pode estar mais perto de se realizar do que você imagina, caso decida se hospedar em um dos muitos resorts all-inclusive (tudo incluso, traduzido para o português) espalhados pelo Brasil.

Para começo de conversa, eles são bem diferentes de um hotel comum, que foca somente na hospedagem do visitante, sem oferecer, por exemplo, atrações suficientes para manter o hóspede lá dentro por uma semana inteira.

Ao contrário, em um resort, além da hospedagem, há um mundo de serviços e tratamentos diferenciados para os turistas, incluindo diversas opções de alimentação e lazer. Tudo isso contemplado na diária.

resort all-inclusive

Comida liberada mesmo?

Quando falo em “tudo” quero dizer no mínimo três refeições por dia e a disponibilidade de bebidas alcoólicas e não alcoólicas, como água, refrigerante, sucos, cerveja, vinho, uísques, espumantes, licores e coquetéis à vontade, que variam de resort para resort.

Já entre os tratamentos diferenciados, estão à disposição dos hóspedes atividades de recreação, SPA, massagem, quadras de esporte, piscinas, restaurantes, bares, boate, teatro e muito mais.

Mas é bom destacar que alguns desses hotéis all-inclusive podem oferecer categorias de serviços diferenciadas, de acordo com o que você paga, que geralmente são identificadas por pulseiras de cores diferentes dentro do resort.

Por exemplo, têm categorias que permitem somente bebidas não alcoólicas no serviço, outras que oferecem cerveja e vinho nas alcoólicas e ainda aquelas que dão direito a pacotes completos com variados tipos de bebidas. Então é importante conferir o que está incluso na diária no momento da reserva.

resorts all-inclusive

Vantagens e desvantagens

All-inclusive não é necessariamente sinônimo de luxo. Na verdade, o sistema inclui tudo sim, sendo que no modelo self-service. Ou seja, não espere a mordomia de garçons indo atrás de você.

Em um all-inclusive, o hóspede é quem vai em busca do que quer consumir, ou seja, é você quem vai aos buffets e aos bares para se servir ou fazer o seu pedido e ser servido.

De fato, tudo é farto em termos de comida e bebida e claro que você poderá, sim, comer e beber o quanto quiser, praticamente à hora que quiser. No entanto, não exatamente o que desejar.

Na prática, você estará limitado ao que está pronto e disponível. E a qualidade e a variedade dos pratos e das marcas de bebidas vão variar conforme a faixa de preço do hotel.

O maior trunfo desse tipo de hospedagem, e que é comum a todos os all-inclusive (talvez a maior vantagem), é poupá-lo de levar um susto na hora do check-out.

O preço está fechado, e em princípio você não gastará um tostão a mais do que desembolsou quando comprou a sua viagem. Assim, a ordem é relaxar e apenas curtir tudo que o hotel tem a lhe proporcionar!

E para que você entenda melhor como funciona um all-inclusive no Brasil, e se esse tipo de sistema atende às suas expectativas, a convite do Room5, eu passei três dias no Vila Galé Cumbuco, localizado a 35 quilômetros de Fortaleza, no Ceará, e relato a seguir a minha experiência.

Eu acredito que esse sistema só não vale a pena para quem pretende passar os dias fora do resort, fazendo passeios. Nesse caso, é melhor escolher um hotel apenas com o café da manhã incluso na diária.

Aliás, se o all-inclusive pretendido estiver localizado em uma cidade ou região cheia de atrativos nas proximidades, decididamente ele não será mesmo uma boa escolha. Você já estará com as refeições e as bebidas pagas e pouco vai usufruir do que pagou, visto que vai passar o dia fora do hotel.

Resort all-inclusive no Brasil

Também não aconselho para quem não abre mão de um garçom lhe servindo o tempo todo e para quem não gosta de encarar filas nos buffets na hora de comer ou aglomeração no balcão do bar no momento de pedir seu drinque. Afinal, o modelo adotado nos all-inclusive é o self-service.

Escolher uma all-inclusive para passar férias cai como uma luva para os pais que viajam com crianças ou adolescentes, que são uma fonte inesgotável de gastos imprevistos.

Para quem gosta de beber, então,  esse sistema também vale muito a pena, pois, como se sabe, bebida é bem mais cara do que comida, e algumas horas de chopp ou e caipirinha, por exemplo, na beira da piscina pode sair bem oneroso.

Se você viaja sozinho, está a fim de agito e conhecer outros viajantes, certamente vai se decepcionar. Pelo menos no Brasil, a maior parte dos hóspedes dos all-inclusive são casais, idosos e famílias com crianças.

All-inclusive também é uma boa pedida para casais e grupos com gostos alimentares incompatíveis. Os buffets dos restaurantes são montados basicamente para atender a todos os paladares, pois incluem saladas, frios, carne, peixe, frango, massas, risotos, frutas e sobremesas diversas.


Foto em destaque: Joe Pizzio no Unsplash
Ícones de Egor Rumyantsev no www.flaticon.com (CC 3.0 BY)