Como eram as etiquetas de mala dos antigos hotéis brasileiros

Por Gabriel Brust,

Assim como muita gente hoje em dia gosta de carimbar o passaporte quando entra em outro país, ao longo do século 20 ninguém voltava de viagem sem uma colorida etiqueta de hotel colada na mala. A popularidade dos adesivos atingiu o auge ao redor dos anos 50, quando as viagens de avião se popularizaram, mas hotéis como o Glória, no Rio de Janeiro, ofereciam o seu souvenir exclusivo desde, pelo menos, 1919.

A etiqueta do hotel carioca é a mais antiga da coleção do jornalista e pesquisador Douglas Nascimento, 42 anos, que edita o site São Paulo Antiga. Fascinado pela história da capital paulista e seus hotéis, ele comprou a primeira etiqueta da coleção no mercado de pulgas da Praça Benedito Calixto. Mas não foi fácil ampliar o acervo, como ele contou ao Room5:

“As etiquetas eram feitas de um material bem fininho, autocolante como um selo. E como as pessoas colavam na mala, era difícil tirar sem rasgar”.

Até que um dia Nascimento encontrou um senhor idade que doou praticamente toda a coleção, de cerca de 80 itens, incluindo etiquetas de hotéis de Rio, São Paulo e Buenos Aires. “Este senhor trabalhou no Hotel São Bento nos anos 30 e 40”, relata. Através das etiquetas, o pesquisador percebeu que poderia descobrir mais sobre a história. Por exemplo: que o tal Hotel São Bento ficava em pleno Edifício Martinelli, um dos primeiros arranha-céus da América Latina, construído em 1929, e que – pouca gente sabe – já abrigou um hotel na primeira metade do século passado.

A etiqueta do Hotel São Bento é, por sinal, a preferida do colecionador, não só pela raridade, mas pela dimensão: enquanto a maioria dos adesivos são circulares e apresentam um diâmetro de 10 centímetros, este, retangular, tem 25cm de altura por 15cm de largura.

Não contente em apenas descobrir que o Martinelli abrigou um hotel, Nascimento foi atrás do autor da arte da etiqueta, que na época fez questão de assinar o desenho. Descobriu que Álvaro Schuracchio, já falecido, trabalhava na gráfica da clássica revisa A Cigarra, e que eventualmente assinava artes na própria publicação. Em alguma hora-extra, criou a etiqueta para o Hotel São Bento.

A maioria dos hotéis que fazem parte da coleção já não existe mais, mas ainda é possível se hospedar em alguns destes endereços super tradicionais. Em São Paulo, você ainda pode descobrir a história reservando um quarto, por exemplo, nos hotéis Excelsior, no centro da capital.

Não está muito claro por que as etiquetas desapareceram ao longo do tempo. Talvez porque viajar não seja mais uma aventura tão grande quanto foi no início do século passado, talvez porque o material do qual são feitas as malas mudou… mas alguém duvida de que elas fariam sucesso caso alguém tentasse lançar a moda novamente?

Veja algumas etiquetas antigas de hotéis brasileiros:

Foto de capa: © Flickr Elitatt CC BY 2.0